Almada: WeMob renova Conselho de Administração

Empresa municipal responsável pela fiscalização do estacionamento em Almada (antiga Ecalma) será presidida por Ana Luísa Lima Ferreira. Renovação do Conselho de Administrção da WeMob acontece num momento em que a empresa enfrenta dificuldades, depois de acumular vários meses sem receitas devido à pandemia.

 

A Câmara Municipal de Almada aprovou esta segunda-feira, dia 3 de Agosto, a renovação do Conselho de Administração da WeMob, nomeando para a presidência a engenheira Ana Luísa Lima Ferreira e Rogério Fernandes como vogal não executivo. A proposta contou com os votos favoráveis da maioria PS/PSD, com a abstenção do Bloco de Esquerda e os votos contra dos eleitos pela CDU.

A renovação acontece após a renúncia, em Junho, de dois dos três membros da anterior administração: o presidente, Dimas Pestana, e a vogal não executiva Inês de Medeiros, também presidente da Câmara Municipal de Almada.

Trata-se, assim, da primeira vez que a empresa não conta com um eleito da Câmara na administração, facto que levou o vereador da CDU, José Gonçalves, a questionar a presidente da Câmara.

Em resposta, Inês de Medeiros frisou que a ausência de autarcas naquele órgão é “legal”, considerando ainda ser “mais saudável para a empresa e para as relações com a Câmara não haver representantes eleitos na WeMob”.

“Vivemos momentos de grande exigência tanto para a empresa como a Câmara”, argumentou a autarca, adminindo que a antiga Ecalma enfrenta uma “tempestade perfeita”, depois de ter estado vários meses sem receitas devido à suspensão da fiscalização motivada pela pandemia.

No mês passado, as dificuldades da empresa pública, que tem o município de Almada como único acionista, refletiram-se no atraso do pagamento de salários, o que motivou os protestos dos trabalhadores. “Felizmente não foi mais do que cinco dias, foi possível resolver o assunto a tempo”, afirmou Inês de Medeiros durante a reunião desta segunda-feira.

Rejeitando que a sua saída do conselho de administração aconteça para “se livrar de um problema”, a edil argumentou ainda que as dificuldades sentidas pela WeMob irão continuar a refletir-se “nas contas e no universo municipal”.

 

Ecalma volta a cobrar estacionamento em Almada a partir de 1 de junho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *